quinta-feira, 21 de junho de 2012

Em tempo de balanço…


No âmbito das práticas pedagógicas, complementares e de consolidação de conhecimentos, as bibliotecas do nosso agrupamento, encontram-se na fase de balanço do trabalho desenvolvido, ao longo do ano, e na plataforma de lançamento do próximo ano letivo.
Assim procuramos identificar as áreas de sucesso e aqueles que apresentam resultados menores e requerem maior investimento, e até possíveis inflexões das dinâmicas iniciais.
Neste âmbito as reflexões da equipa da BEE registam como pontos fortes:
  • O apoio ao desenvolvimento curricular
  • A articulação curricular da BEE com as diferentes estruturas curriculares, docentes e discentes
  • Contribui para o desenvolvimento da literacia e informação, no âmbito da leitura e literacia
  • Projetos, parcerias e atividades livres e de abertura à comunidade
  • Apoio às atividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular
  • Gestão de recursos, metodologias e práticas
Os pontos menos conseguidos situam-se nas limitações do número de colaboradores, falta de assistentes operacionais a tempo inteiro, indispensáveis à dinâmica destes espaços. A falta de operacionalização de algumas directrizes e parcerias de trabalho.
A nossa reflexão procurou ser assim um instrumento para reajustar e promover a melhoria da qualidade dos resultados obtidos. Por isso, foram objeto de análise da equipa, nesta fase final do ano. Esta reflexão visou identificar sucessos e fracassos, procurando dar uma visão holística do funcionamento da BEE.
Assumir-se como um instrumento de recolha e difusão de resultados a serem apresentados junto dos órgãos de gestão e decisão pedagógica.
Resta-nos ainda espaço e esperança para continuar e melhorar o nosso contributo e intervenção educativa deste espaço nas expectativas do próximo ano.
Ao fazermos este texto, o que mais nos motivou não foi elogiar os espaços em si, foi também mostrar que as bibliotecas não são só, um simples espaço onde se pode passar o tempo livre. Elas são lugares com grande responsabilidade e por isso queremos deixar aqui a nossa opinião de que no fundo, as nossas bibliotecas não têm de tomar iniciativas bonitas e que à vista de “interessados”, lhes interesse, elas têm como função cativar os supostos “não interessados”; desenvolvendo-lhes o muito que há para aprender. Só assim serão pessoas mais curiosas e cultas, com mais capacidade de enfrentar os diversos dilemas que a nossa sociedade e o nosso planeta nos vão trazer no futuro, futuro esse, em que estes estudantes viverão.
De todos, para todos!
Boas férias e um até breve,

PS: Ah! Já agora, não esqueçam o lema: “ Um livro, um amigo.”